Os trabalhadores com menores rendimentos sofrem com perda salarial há quatro anos consecutivos. Ao mesmo tempo, os trabalhadores mais bem remunerados conseguiram ganho expressivo em 2018, aumentando a desigualdade no mercado de trabalho brasileiro. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano passado, os 10% mais ricos ganharam 13 vezes mais do que os 40% mais pobres, diferença recorde na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. A renda média dos 40% pior remunerados encolheu 0,8%, enquanto os 10% mais bem remunerados aumentaram o ganho em 4,1%. Como a massa de trabalhadores passou a ganhar menos, os empregadores gastaram menos com a mão de obra que empregam, explicou João Hallak, analista da Coordenação de População e Indicadores Sociais do IBGE.

“A renda do empregador envolve a receita menos a despesa dele. Com uma despesa menor com a força de trabalho, a renda dele melhora”, justificou Hallak.

Além dos empregadores, militares e servidores públicos passaram a ganhar mais em 2018, segundo os pesquisadores do IBGE. “Servidores públicos e militares têm estabilidade, conseguiram reajuste acordado com o governo em períodos anteriores. Como a inflação foi muito baixa no período, algumas categorias tiveram aumento real. E tem a carreira do Judiciário, que conseguiu elevados aumentos salariais”, completou Hallak.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here