BRASÍLIA – O presidente JairBolsonaro sinalizou nesta sexta-feira que defenderá o fim da multa de 40% sobre o FGTS , paga a trabalhadores em caso de demissão sem justa causa. Para Bolsonaro, a regra é um peso para empregadores. Ele disse, no entanto, que a ideia de acabar com a gratificação ainda está em estudo. “Está sendo estudado, desconheço qualquer trabalho nesse sentido”, afirmou.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já disse que pretende mudar as regras do FGTS. A principal medida seria flexibilizar os saques, inclusive de contas ativas, do atual emprego do trabalhador. Havia uma expectativa de que as mudanças fossem anunciadas na quinta-feira, durante a cerimônia de 200 dias de governo, mas o plano foi adiado para semana que vem, após preocupações sobre como a liberação de recursos do Fundo poderia comprometer o financiamento habitacional. Segundo Bolsonaro, ele também compartilha das preocupações do setor.

— Lógico que eles têm a preocupação deles. Eu também tenho, é parecida com a deles. Não queremos que o projeto pare, afinal de contas o meu pai foi comprar a primeira casa na vida dele quando eu tinha 35 anos de idade — disse o presidente.

Bolsonaro disse ainda que pretende pedir à equipe econômica que elabore um plano de reforma tributária em que a carga de impostos seja reduzida. Até agora, o time de Paulo Guedes tem sinalizado que o objetivo da reforma será simplificar o sistema, mantendo a atual carga tributária.

— Vamos ter que dar uma sinalização de que a cada ano se reduza a carga tributária. Nem que seja 0,00001%. Ele (Guedes) apresentou superficialmente a proposta dele e vai reapresentá-la. Falou que no início de agosto já está bastante avançada. (Com o G1)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here